segunda-feira, 4 de abril de 2011

A exceção que confirma a regra

Eu gosto de provérbios e muitas vezes procuro saber a sua origem. “A exceção que confirma/prova a regra” é uma expressão que sempre me intrigou, porque parece afirmar um completo absurdo. Normalmente uma exceção não confirma ou prova uma regra. Ao contrário: se encontramos uma exceção, em geral colocamos a regra sob suspeição. (Basta encontrarmos um pinguim para duvidarmos da afirmação de que “todos os pássaros voam”, por exemplo.)

Depois de alguma pesquisa, creio que encontrei a explicação para essa confusão. “A exceção que prova a regra” é uma tradução da expressão latina medieval “exceptio probat regulam in casibus non exceptis”, que poderia ser traduzida de modo mais completo como “a exceção comprova a regra para os casos não excluídos”. Um exemplo disso seria quando vemos uma placa dizendo “proibido estacionar após as 16h”. Dos dizeres dessa placa poderíamos deduzir a regra de que nos demais horários o estacionamento é permitido. Nessa placa, teríamos a exceção que prova a regra nos demais casos. Em suma: se não houvesse a regra, não haveria necessidade de exceção.

Temo, no entanto, que o uso “nonsense” da expressão já esteja tão disseminado que não adiante esclarecer-lhe o sentido!

13 comentários:

Eduardo Fideles disse...

nossa! que pesquisa maravilhosa mas complexa apesar da objetividade, requer atenção para uma melhor compreensão.

Cláudia Martins disse...

Muito obrigada, Eduardo! O assunto é realmente complexo.

JRandal disse...

Talvez, talvez tenha encontrado o verbete da Wikipedia, o qual me ajudou a compreender melhor a expressão:

http://en.wikipedia.org/wiki/Exception_that_proves_the_rule

Agradeço-lhe a explicação em português.

Cláudia Martins disse...

JRandal, é verdade, é muito boa a explicação da Wikipedia. Eu não a havia lido, embora houvesse lido o exemplo de Fowler em outros sites.

Marcos Paulo Berber disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcos Paulo Berber disse...

Eu matutando pra entender a letra da Sandy " ninguém é perfeito, mas você é a exeção que confirma a regra"

Marcos Paulo Berber disse...

Eu matutando pra entender a letra da Sandy " ninguém é perfeito, mas você é a exeção que confirma a regra"

Marcos Paulo Berber disse...

Eu maturando pra entender a letra da Sandy " ninguém é perfeito, mas você é a exeção que confirma a regra"

Edite Esteves disse...

Parabéns pelo blog! Partilho os meus de saúde total:
www.meditacaoparaasaude.blogspot.com
www.leiturasparaavida.blogspot.com

Melhores cumprimentos

Duarte Bandeira disse...

Julgo ter compreendido a ideia. Resumindo, é necessário que algo se distinga da ‘norma’ (ou seja, da regra) para ser possível a constatação de que existe, de facto, uma norma. Contudo, isto não me parece absolutamente válido. Até esta regra terá a sua excepção. Senão, repare: eu sei que todas as pessoas têm apenas um nariz. Nunca vi (nem ouvi falar de) alguém que tivesse dois narizes. Ainda assim, isso não me impede de constatar que toda a gente tem um nariz apenas. Logo, aí está uma regra que não precisa duma excepção que a confirme!

Cláudia Martins disse...

Duarte Bandeira, obrigada por seu interessante comentário. Acredito, no entanto, que a expressão se referisse originalmente a "regras" no sentido jurídico, o que não é o caso do seu exemplo.

Lucas Monseff disse...

O fato da regra citada não comportar exceção conhecida, nada mais é do que uma exceção à regra geral de que toda regra possui uma exceção! ��

Cláudia Martins disse...

Interessante o seu comentário, Lucas Monseff ;-)

Postar um comentário